Arquivo de fevereiro, 2010

Arruda paga manifestantes para defendê-lo

Posted in Nosso Mundo with tags , , , , on fevereiro 9, 2010 by Daniel Duende

Lá vou eu falar de política de novo. Mas é por uma boa causa: tentar, sonhador que sou, mostrar pela enésima vez o TRASTE que nós candangos conseguimos eleger. (Já não havíamos aprendido depois do RORIZ?!?)

Bem… o fato é que me repassaram (oi, posso citar seus nomes!?)  uma matéria da revista Época (é, aquela da Globo) que fala sobre o pagamento feito por Arruda aos “manifestantes” que o defenderam publicamente nas ruas do DF durante as manifestações de “Fora Arruda” na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF).

A matéria apresenta, inclusive, a imagem de um documento (em PDF) que comprova a “contratação de animadores” (sic). Afinal de contas, não era de se esperar que alguém defendesse o cara sem estar levando algum por fora, né? Nem a Madre Teresa de Calcutá faria isso.

O mesmo email dá um link de um vídeo que comprova o pagamento (que não pude assistir com som porque ainda estou no trabalho).

Para quem se elegeu às custas de muita mentira e “agradinhos” para o eleitor, comprar “defensores” para gritar pelas ruas o quanto adoram seu governo já não é novidade. O que me impressiona é que mesmo com TODAS as denúncias e escândalos diários, o cara ainda não caiu. Será que a gente não aprendeu MESMO com o Roriz!?

Vai mais uma pizza aí?

Cada macaco no seu nicho (!?)

Posted in Meu Mundo with tags , , on fevereiro 9, 2010 by Daniel Duende

Toda vez que releio algum post meu sobre política, ou sobre estes outros assuntos que eu adoro detestar, sempre fico com a sensação de que deveria ter ficado calado, ou me limitado a falar daquilo que gosto e sei discorrer a respeito…

Por falar nisso… vocês jogam World of Warcraft? =)

Acho que preciso de uma cerveja…

Usando e Abusando da Força Pública

Posted in Nosso Mundo with tags , , , , , , , , , on fevereiro 9, 2010 by Daniel Duende

Como eu ia dizendo lá no Twitter, para quem diz curtir um Estado fraco, esses neoliberais gostam um pouco demais de abusar da força (física) do Estado. Deve ser porque a onda deles é um Estado fraco principalmente do espírito, um Estado capataz, do tipo que recorre à violência para compensar a própria fraqueza e impotência. Um Estado prontinho para ser mandado e desmandado pelas empresas e corporações, e se limitar à função “subalterna” de lidar com o povo (aquele que deveria se limitar a trabalhar, comprar e se calar) para que o empresariado não tenha que sujar as mãos com essa gente parda e desagradável — A visão de paraíso dos chuíços(*), bem aos moldes de nosso moderno Brasil-Colônia.

O que me impressiona é a quantidade de gente ansiosa para dar a chave do galinheiro nacional aos lobos e entregar de vez o ouro ao bandido. Depois de oito anos em que não só o Brasil cresceu como nunca, mas também começou finalmente a dar alguma atenção aos 90% sempre desservidos pelos governos que elegiam, ainda tem gente com saudades dos coronéis engravatados e empoados dos anos 90. Eu prefiro acreditar que é ignorância, mas eu temo que seja algo bem pior: egoísmo dos “cidadãos de bem” da classe média, que acreditam que podem ser beneficiados em detrimento de seu país e do povo do lado de fora de suas janelas.

Mas eu prometi para mim mesmo que não ia ficar falando de política. Além do mais, tem gente que faz isso bem melhor do que eu…

E por falar nisso, a Conceição Oliveira (@maria_fro) está twittando vídeos (1, 2, 3, 4) da manifestação de ontem, realizada pelas vítimas dos alagamentos em SP, que foi violentamente reprimida pela polícia do estado. Conceição estava na manifestação, assim como o Raphael Garcia (@tsavkko, do blog The Angry Brazilian). Ambos apanharam e foram mimoseados com sprays de pimenta (proibido em vários países, e que pode ser letal) pela polícia militar de SP (que agora voltou a se chamar Força Pública). O Raphael já publicou um post a respeito. A Conceição também deve publicar em breve um relato em seu blog.

A pergunta que fica é: Quem não percebe o absurdo que estes senhores e senhoras do DEM e PSDB querem fazer com o país (e estão fazendo com os estados que governam) é cego, ou apenas conivente?

(*) Chuíça é como o PiG (**) de São Paulo quer que o resto do Brasil pense que São Paulo é: uma combinação do dinamismo econômico da China com o IDH da Suíça.
(**) Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista

(retirado do blogue Conversa Afiada de Paulo Henrique Amorim)

P.S. como ainda estou no trabalho, não tive tempo de escolher imagens para este post. De qualquer forma, precisava escrevê-lo. Mas há muitas fotos e vídeos da manifestação no YouTube e no Flickr. E para ver a cara destes distintos senhores que querem sequestrar o Estado brasileiro, bem… basta ligar a televisão.

Na correria…

Posted in Nosso Mundo with tags , , , , , on fevereiro 8, 2010 by Daniel Duende

Que mania eu tenho de fazer posts só para dizer que estou na correria, que não vai dar para escrever mais agora, bla bla bla…

Mas esta é a pura verdade. Bastante trabalho e, hoje, trabalho atrasado. Não está dando tempo de dar atenção aos meus recém-reativados blogues, assim como não tenho encontrado tempo nos últimos 3 dias para trampar com tantas outras coisas que gosto tanto, e que me são até mais importantes…

De qualquer forma, quando posso, estou lá pelo meu twitter.

E aproveitando a chance, recomendo esta tocante matéria de @joaovaladares no PE Bodycount e, claro, recomendo também o relato (em primeira mão) de Raphael Garcia sobre a última demonstração de truculência, falta de habilidade política e absoluta incapacidade para o diálogo da dobradinha Serra + Kassab em SP: A covarde agressão aos manifestantes dos bairros alagados.

Matutando o Caldeirão da Fartura da Computação…

Posted in Nosso Mundo with tags , , , , on fevereiro 3, 2010 by Daniel Duende

Resolvi migrar este post para o novo Caderno do Cluracão.

Acho que por conta de sua eventual ininteligibilidade por conta do borbulhar de idéias, e por se tratar antes de mais nada de uma idéia de narrativa (social e políticamente necessária, mas ainda assim uma narrativa), fazia parte da alçada do Caderno.

Vão lá ler.

It’s Alive

Posted in Metablogando, Vida Digital with tags , , on fevereiro 3, 2010 by Daniel Duende

O novo Caderno do Cluracão bateu 53 acessos únicos, e este blogue aqui (recém criado) já bateu 28 acessos únicos, ambos no primeiro dia de funcionamento. É gostoso me envolver com a blogocoisa novamente. Obrigado por quem me visitou.

Agora… podem comentar. Não tô cobrando nem moderando não. 😀

O hype da morte do hype

Posted in Vida Digital with tags , , , , , on fevereiro 2, 2010 by Daniel Duende

Acho que todo post falando sobre a “morte” deste ou daquele suporte de conversações sobre um sério risco de derrapar para dentro do pântano da presunção egocêntrica. Mas tem coisas que vale a pena dizer.

Estava conversando no outro dia com a Pata Nardelli sobre a “morte dos blogs” frente ao surgimento dos microblogs. Assunto velho, eu sei. Nem está mais na moda falar disso. Mas não é disso mesmo que eu quero falar. É do hype de anunciar a morte de serviços quando surge alguma outra coisa mais “cool”.

Em 2003, o fotolog.net (hoje fotolog.com.br) bombava de brasileiros descobrindo como era bacana fazer caras e bocas para a câmera e depois partilhar a foto com os amiguinhos. Foi na época uma das grandes ondas da entrada brazuca na rede, de mãos dadas com o Orkut que surgiria pouco depois. Algum tempo depois, havia gente anunciando a morte do fotolog.net. Mas ele não morreu. Simplesmente começou a ser usado só por quem realmente curtia aquilo. O que morreu foi o hype, e não era mais tão “cool” ser fotologger.  Os hype-pilgrims deixaram o flog pra trás e foram atrás do próximo hype, e foi só.

A mesma coisa pode ser dita sobre os blogs, e em breve poderá ser dita sobre o Twitter e sobre quaisquer serviços que forem “agraciados” com o hype no futuro. Um dia o hype acaba, os “moderninhos” que começaram a usar o serviço só porque era moda acabam cansando e indo embora em busca de outra coisa “cool” pra usar, e o suporte começa, enfim, e descobrir seu verdadeiro lugar no espaço digital.

Quem falou da morte dos blogs pode até não ter percebido que estava falando uma grande asneira. Mas se quiser colocar a mão na consciência, pode dar uma olhada no Global Voices Online (ou no Global Voices em Português) e descobrir algumas coisas para os quais os blogs realmente servem, sem hype nem afetação.

E quanto a morte dos blogs frente aos microblogs. Bem… Quem tem algo a dizer não pode viver só de 140 caracteres, né? Creio que, no máximo, a blogosfera se viu livre de um monte de gente que poderia, no mínimo, falar em menos caracteres o que tinha a dizer. Bom para todos.

Os blogs irão existir enquanto forem úteis para quem escreve e para quem lê. Podem mudar, como tudo muda, como os microblogs também já estão mudando, mas por sorte, apesar dos passos para trás, cedo ou tarde a gente caminha para frente e leva consigo aquilo que nos serve para alguma coisa. E os blogs, meu amigo, são uma das coisas mais úteis que surgiram na internet.

O que morre é o hype.

E é por isso que eu ignoro solenemente qualquer serviço que seja muito festejado.  Só o tempo dirá se servirá para alguma coisa, ou se vai cair no esquecimento. Quem se lembra hoje do Friendster? Eu só me lembro que era quase tão chato quanto o Orkut, mas não tinha um Google por trás para convencer todo mundo de que era bacana estar lá. 🙂